de alunos que participaram do S.I.V.uca

informações técnicas | Cartilha | Inscrição

Roberto Coutinho Marcelo Agra Nelson Saldanha de Castro
Alexandre Namesnik Emerson Marques Costa Marcelo Borzino
Eduardo Maluf Danuza Bueno  
Marcelo Laranja Cacá de Souza  
Jose Augusto Joao Eugenio Lopes  
 -----Mensagem original-----

De: marceloagran <marceloagra@petrobras.com.br>
Enviado: terça-feira, 12 de abril de 2005 11:44:30
Para: parapentebr@yahoogrupos.com.br
Assunto: [paraca] Re: Niteróicos brilham no S.I.V.uca

O mérito desse S.I.V. não foi somente da enorme capacidade técnica do seu instrutor, sua experiência, sua atenção e dedicação, a paciência conosco, a alegria e simpatia, ou da segurança que nele podiamos
encontrar.
Não foi somente também, da estrutura que monta o curso, desde a preocupação com a logística de se chegar ao local, até estarmos muito bem instalados, ou ainda, de ter como componentes de sua equipe, pessoal tão bem equipado, atencioso, cauteloso, capacitado e amigo.
Não foi apenas motivado pela presença de pessoas com o objetivo no treinamento, bem humoradas, amigas, de um sentimento de cooperação, preocupação e responsabilidade com o outro, sem igual.

O mérito do especial foi o acontecimento de tudo isso, por isso que o S.I.V. é VIP.

Gostaria de registrar que terminei o curso S.I.V. com o Sivuca, com o sentimento de realização, de responsabilidade maior em vôo e com horizontes ampliados.

Muito obrigado à você Sivuca, ao Mingo, Josafá e, é lógico aos meus companheiros, Ney, Thierry e Fábio.

Marcelo Agra

ps: Mingo, só pra lembrar, a melhor manobra foi aquele lift no final da tarde pra relaxar e admirar a paisagem. Valeu o toque.

-----Mensagem original-----
De: Nelson Saldanha de Castro [mailto:nelson21@terra.com.br]
Enviada em: segunda-feira, 14 de março de 2005 15:28
Para: Lista SRS
Assunto: O que eu achei do SIV

 

Pessoal,

É com muita satisfação que venho até vocês relatar a vivência deste último final de semana quando fiz pela primeira vez um SIV, no caso com o dedicado Sivuca.

É verdade que não sou o primeiro e nem serei o último a escrever sobre o assunto (ainda bem, né?). Sempre achei muito interessante compartilhar minhas experiências do vôo e não poderia deixar de fazê-lo neste caso.

Em primeiro lugar digo que o investimento é o melhor que você pode fazer na sua vida de voador. Não que trocar de equipamento não seja importante, mas direcionar uma verba para um treinamento desses é como ter direcionado a
verba que você precisou para aprender a voar.

Durante minha vida de voador acertei 100% na escolha dos meus instrutores porque sempre considerei que sentir segurança na pessoa é o primeiro passo, Graças a esse critério tive instrutores como o grande Eládio (Santos/São
Vicente), o Anderson (Carioca - que dá instrução no interior, em São Pedro/São Carlos e região) e agora depois de pouco mais de dois anos de vôo, o Sivuca neste curso avançado (encaro o SIV como um curso avançado de vôo
livre). Faço questão de citar o nome deles porque já vi tanto voador decepcionado com seus instrutores que esses ótimos profissionais serão sempre meus ídolos e amigos.

Bom, fiz 4 decolagens com uma média de 3 manobras por decolagem.

1ª decolagem - Primeiro executei pêndulos frontais (Golfinho) e depois B-Stall. Nesse último a saída foi irregular culminando numa série de colapsos e twists que me fizeram jogar o reserva. Aprendizado? Cuidado nos comandos, calma, decisão de lançamento do reserva, etc, etc, etc.

2ª decolagem - Estudo de colapsos assimétricos de mais de 60% da vela(2séries).  Aprendizado? Cuidado nos comandos, movimento do corpo, estudo do comportamento e reação da vela, dosagem de comando para manutenção da vela
colapsada em vôo reto e uso do freio e do corpo.

3ª decolagem - Série de pêndulos laterais (Wing-overs) de baixa amplitude e mais duas séries de B-Stall. Agora com precisão e total comando do retorno da vela para o vôo (foi excelente poder ter feito corretamente, aí já temos uma prova de como pode-se aproveitar um erro como aprendizado e como parâmetro para o acerto). Aprendizado? Cuidado nos comandos, uso adequado do freio e do corpo no pêndulo.

4ª decolagem - 3 séries de Full-Stall e mais uma série de pêndulos laterais (Wing-overs) de alta amplitude (novamente aqui temos a prova de como pode-se melhorar os resultados em função de um parâmetro anterior para se chegar à manobra mais bem feita). Aprendizado? Cuidado nos comandos, correto
posicionamento do corpo no momento do full, controle da vela do retorno da mesma para o vôo e novamente uso adequado do freio e do corpo no pêndulo.

IMPORTANTE: Manobras como negativas por exemplo, não foram realizadas por mim, mas outros alunos a fizeram com louvor. Também por questão de tempo (que não foi pouco diga-se de passagem) não realizei as espirais.

Galera, é preciso dizer "NÃO TENTE FAZER ISSO SOZINHO, ESCOLHA SEMPRE UM INSTRUTOR CAPACITADO". Assim como o Sivuca, que procura te conhecer, que conversa MUITO com você antes de cada treinamento e que conversa MUITO com você após cada exercício chamando atenção dos erros e acertos. Com toda calma, atenção, paciência e tudo o mais que precisamos nesses momentos de apreensão.

Isso tudo é necessário para nos dar confiança para executarmos exercícios que, ou nunca vivenciamos ou tivemos que passar por eles numa situação casca grossa. Você vai ver, sua compreensão sobre o vôo livre vai mudar ou no
mínimo vai se apurar.

É isso aí. Façam o SIV, falem com o Sivuca.

Bons vôos a todos e estarei à disposição de qualquer um de vocês para falar mais em pvt.

Nelson Saldanha de Castro
Sol - Synergy - São Paulo - SP
Cel. 11 8133.5900
Clube Sul Mineiro de Vôo Livre
Clube São Pedro de Vôo Livre
Clube de Vôo Livre do Litoral Paulista
 

-----Mensagem original-----
De: Coutristar@aol.com [mailto:Coutristar@aol.com]
Enviada em: terça-feira, 17 de agosto de 2004 22:37
Para: sivuca@ventomania.com.br
Assunto: Comentários e fotos do S.I.V.
 

Alô amigo,

Fiquei surpreso com o desenrolar do SIV, tanto pelo local que é belíssimo, como pelos participantes. Logo quando cheguei na sexta-feira, fui muito bem recepcionado, acredito eu, pelo proprietário do Hotel e sua esposa, quando batemos um papo muito cordial e amistoso na pizzaria, onde tomamos um delicioso vinho branco. Agradeço a você Sivuca, por todos os ensinamentos ministrados de forma eficaz e eficiente e pode ter certeza que tudo foi assimilado, ou por ter efetuado os exercícios em vôo ou simplesmente observando o que era executado pelos nobres amigos do curso. Gostaria de destacar a beleza das manobras mandadas pelo Zé Augusto, a segurança e frieza na arte de voar do Diniz, o poder de superação do Alexandre que com tranqüilidade deu um show ao lançar seu reserva, a simpatia do Mingo que com habilidade nos colocava no ar e finalmente ao mestre que nos direcionava com precisão.
No Domingo, dia 15 já de volta ao Rio, fui até São Conrado e lá comentei sobre o sucesso do SIV VIP, e é uma unanimidade sua importância, sendo dito por pilotos experientes e instrutores que deveria até ser obrigatório.
No mais, me aguarde para um próximo curso e vai anexo as poucas fotos que tirei.
Um abraço,

Roberto Coutinho

From: <alexandre.namesnik@embraer.com.br>
To: <csmvl@yahoogrupos.com.br>
Sent: Monday, August 16, 2004 11:43 AM
Subject: [CSMVL] SIV

Fala aê pessoal,

Sabado passado tive a oportunidade de participar do SIV do SIVuca.

Participantes: Diniz, Roberto (RJ), José Augusto (BH), eu

Fiz 4 decolagens (fui eu quem escolheu as manobras):

1- Pendulo frontal + b-stall

2- Assimétrica (3vezes - 1ª sem correção, para observar o comportamento do paraca, 2ª com correção, para observar a eficácia do meu comando, 3ª mantendo o tirante "A" embaixo, e pilotando com parte da vela fechada, fazendo curvas e tudo mais)

3- Pré-Stall + Full-Stall

4- Negativa (com direito a twist não intencional-bração) e lançamento de reserva. Ninguem se machucou. Todos fizeram decolagens perfeitas, os briefings

(pré-vôo) e comentários (durante o vôo) foram exatos. Muito grato ao Sivuca !!!! Foi uma da melhores experiências que tive no vôo. No meu ponto de vista, muito dos acidentes que infelizmente acontecem em todas as rampas do Brasil e do mundo, poderiam ser reduzidos/evitados se o SIV fosse realizado por todos. Esse curso é um ótimo inicio de preparo para enfrentar situações extremas, que eventualmente podem acontecer com qualquer piloto. Todos nós estamos expostos a este risco ! Fica a dica para os dirigentes e formadores de opinião para tormar esse curso obrigatório, pois com certeza reduziria o indice de acidentes. Sendo opcional, sugiro que cada piloto re-avalie o custo-benefício de fazer um SIV, pois o benefício é sua própria segurança e integridade física.

Abraços a todos,

Alexandre Namesnik

-----Mensagem original-----
De: Eduardo Maluf [mailto:emaluf@netpark.com.br]
Enviada em: segunda-feira, 26 de julho de 2004 11:16
Para: Sivuca - Silvio Ambrosini
Assunto: SIV
 

Sivuca e Alejandro

 
    Gostaria de agradecer o trabalho de vocês para a realização do curso do final de semana que foi fantástico. O aprendizado e a diversão foram constantes.
    As técnicas que eu já conhecia de outros SIVs ficaram ainda  mais claras, e as manobras que aprendi neste final de semana me deixaram tão feliz que o estou com o sorriso no rosto até agora.
    Gostaria também de parabenizá-los por este novo modelo de SIV com no máximo 4 participantes, deixando o curso mais dinâmico e prazeroso, e pela organização e descontração que são presentes em todos os momentos.
    Com certeza nos veremos em muitos outros SIVs. Quero continuar evoluindo passo após passo com segurança, e acho que isso só se obtém com o acompanhamento de quem entende do assunto.
 
Um grande abraço,
 
Dudu

nome: Marcelo Laranja
cidade: Belo Horizonte
estado: Minas Gerais
email: laranjahk@yahoo.com.br
instrutor: Lucio Vasconcelos / Concessio
telefone: (31) 9185-3696

mensagem:

Participei do SIV esse fds 24-25/07 e só tenho uma coisa pra falar: ROCK N´ ROLL!!! Antes eu não sabia realmente oq aconteceria comigo no caso de algum colapso, sabia na teoria, e poder ver a vela se desmanchando e voltando em voo, me fez querer voar mais e muito mais, graças à paciencia e instrução desse grande cara que é o Sivuca, valeu cara!!! eu volto ainda pra mandar o Full-Stoll, amarelei mas pq aqla ja não era mais a minha hora!!! Um abraço a todos....

-----Mensagem original-----
De: Jose Augusto [mailto:jsampaio@sampfac.com.br]
Enviada em: segunda-feira, 26 de julho de 2004 13:39
Para: Sivuca - Silvio Ambrosini
Assunto: Cãimbra de não parar de rir.
 

Sivuca, esta frase abaixo estava no I CHING que você me mandou, e era justamente para o dia de ontem, achei super legal, você confiou que o preá aqui não iria se colocar em uma situação de risco e me incentivou, eu apesar do frio na barriga pela proposta inesperada de fazer uma manobra que eu acho linda mas não tinha coragem de tentar, pensei, o Sivuca deve estar propondo porque ele realmente acha que eu tenho condições de tentar. Resultado: tô rindo até de notícia ruim. Sei que ainda não é um sat assimétrico de um profissional, mas me sinto em condições de treiná-lo e melhorá-lo. Veio em ótima hora pois eu estava me sentindo meio impotente diante daquela inverssão que não acontece nunca. Mais uma vez ( como sempre sepois de cada Siv que faço com você) MUITO OBRIGADO por me ajudar a romper barreiras nesse esporte que eu sou apaixonado.

 

Dia 25: Para que pessoas de níveis diferentes na escala hierárquica possam estar em sintonia, é preciso que haja confiança mútua. Isso vale tanto para a grande empresa como para a pequena família.

 

Grande abraço

 

Zé "Sat Assimétrico"

 

ps: prá quem não sabe do que se trata, deve achar que esse tal de "Zé Sat assimétrico" é um cara todo torto. hehe.

erça-feira, 29 de junho de 2004 16:36

Emerson Marques Costa
Pessoal, quem nunca fez um SIV, não pense duas vezes. FAÇA!

A experiência desde a chegada na Marina Estância Confiança em Joanópolis até a última decolagem foi fantástica.

 

Emerson "Pirulito"

No início eu estava bastante apreensivo, pois em fevereiro o SIV que vim fazer não tinha sido completo por problemas técnicos, mas desta vez eu me acabei. Aliás, Eu , o Nei e o Fernando fomos abençoados, pois o tempo estava ótimo e foram 2 dias de muitas decolagens com muito sucesso e todos os objetivos alcançados além do esperado.

Realizei todas as manobras que eu esperava e até Duplo eu pilotei por duas vezes.

No início, um pequeno probleminha com meu rádio, mas como sempre pessoas boas e prevenidas estão por perto. Valeu Fernando Stein pela força que me deste emprestando seu rádio reserva.

Na minha opinião a vida de um piloto deveria ser dividida em duas fases. O pessoal daqui da minha região diz brincando que é ANTES de arborizar e DEPOIS de arborizar, mas eu discordo e acho que deveria ser dividida em ANTES de um SIV e DEPOIS de um SIV. Tudo muda. Percebi que estou muito mais sintonizado e seguro com minha vela pois agora descobri qual o comportamento dela em muitas situações que antes eram só conhecidas na teoria e que mesmo conhecendo estas teorias haviam aquelas dúvidas "será que é assim?" ou ainda "será que vou saber sair de tal situação?".

Eu não imaginava que a paulada de um Full Stall fosse tão intensa e adrenada como é. Para os experientes, pode ser normal, mas pra mim foi extra-normal, talvez por ser a primeira vez. Meter a mão até o final do curso dos batoques, sentir a vela sumir da tua cabeça, trancar os batoques lá em baixo para segurar a paulera e começar a despencar é explicavelmente inexplicável.

 

Sem as explicações muito bem embasadas, claras e acompanhamento pelo rádio pelo mestre SIVUCA, eu não iria saber sair daquela situação com sucesso. Acho que se antes eu tivesse vivido um Full Stall sem conhecer suas características eu pensaria muito bem antes de voltar a voar. É adrenalina pura mesmo!!! Mas depois de sentir no couro aquela sensação e saber controlá-la sem nenhum problema foi satisfatório demais.

A Espiral positiva (centrifugada), também merecia um relato especial, pois a adrena é coisarada. Mas vou deixar para vocês irem lá e ver como é que é!

Além destes, pilotar um duplo, realizar Golfinho com colapso frontal, Pêndulos laterais, Wingovers, Colapsos assimétricos, Pré estol, Negativa com saída normal e saída em Full, enfim, todas as manobras que consegui realizar, foram espetaculares com direitos a dois bons banhos e tudo.

Sou grato aos meus bons amigos que estavam lá, o Nei, o incentivador, que me "tirou do casulo" para ir fazer o SIV, ao Beto, meu instrutor, que desde meus primeiros vôos me acompanha sempre com suas excelentes dicas de conscientização e do digno mestre SIVUCA que com toda sua didática muito lógica, simples e objetiva nos transmitia segurança em todos os momentos nos pré-vôos (briefings), durante os vôos e nos pós-vôos.

Grande abraço

Pirulito.

P.S. (Ah, agradeço pelo apelido dado pelo SIVUCA).

Emerson Marques Costa
Liberty Paulista Seguros
emersonc@libertypaulista.com.br

Danuza Bueno

Data: Mon, 28 Apr 2003 10:49:42 -0300
Assunto: [paraca] O Maravilhoso SIV desse final de semana !!!!!!

Olá Galera!!!!!!!!
Estou aqui para relatar o mais legal final de semana da minha vida de voadora....

Esse final de semana estávamos em Joanópolis em 11 pilotos para mais um SIV, uma turma muitttoo bacana monitorada nada  mais nada menos por ele.........Tcharammmmmmmmmm

"Nosso querido SIVUCA".

As séries de manobras até as mais cabeludas, fulls, negativas, sats, sairam todas com muita naturalidade sem stress, cagaço, tudo começava a conspirar a seu favor no briefing, altamente explicativo e claro, depois a decolagem, onde o Kurt dava um último briefing antes de vc decolar, vc decolava lá estava o Marquinhos te birutando na subida do cabo com toda a calma e tranquilidade vc chegava lá em riba relax, com a maior vontade de socar a mão na vela.....

Na hora das manobras o Sivuca sempre muito didático e correto nas suas colocações fazia com q vc com a maior tranquilidade domina-se seu bichinho sem muita neura e tudo saía perfeito.

Realizei todas as manobras q gostaria de realizar, full, colapsos, assimétricos, negativas com saída em full, wingovers, espiral, e arremesso de reserva....

Esse foi meu segundo SIV e o melhor de todos.

Parabéns SIVUCA, pela dedicação, paciência e clareza.

Parabéns Kurt por todas as dicas e toques dados antes da decolagem... E Marquinhos, sem vc e suas dicas preciocísimas todo mundo tinha ido pra água rapidinho.  Joe Ferreira, nosso querido cinegrafista sempre atento a todas as nossas manobras nos contagiando com seu alto astral.

Ao Alex, pela super organização que agilizou um monte para que o curso fosse o mais perfeito possível. Ao Alex de Goval , q estava lá dando uma mão pra gente.

Ao Pedrão e a Tia da Cozinha pela hospedagem e maravilhosa comidinha caseira.... aiai.... já está me dando saudades. Ao Mingão, q veio voando de Atibaia e pousou em Joanópolis para fazer festa com a gente.

A pilotaiada.

Meus conterrâneos Phocas Team, Hugo, Berlioz, Dino, Marcelo, Serginho, que fizeram a maior festa, e conseguiram realizar todas as manobras. Ao Maurício Pai e Maurício Filho pilotos Capixabas, gente boa pra caramba. Rogério e Namorada de BH, Ao Otto e sua flauta mágica que serviu de trilha sonora para minha meditação, Herval de Itajaí com toda a sua alegria e vontade de voar, Ao Marcelo Borzino q tá mandando ver nas manobras, a Lívia namorada do Marcelo... que paciência de Jó hein mulher....

Foi tudo maravilhoso, melhor estragava, ganhamos grandes conhecimentos e principalmente grandes amigos ... e momentos de grande alegria q fazem vc perceber o quanto a vida vale a pena.

Se vc não fez um SIV ainda.... Tá perdendo tempo, vamos lá faça sua inscrição no site da ventomania para a próxima turma, e vc vai entender o porquê dessa nossa alegria.......

E é isso meu povo, tenho q trabalhar para garantir o vício do vôo.

Agora só nos resta lembrar dos maravilhosos dias passados no sítio em Joanópolis............. E esperar a semana passar voando para pegar a estrada (de novo), dessa vez para Andradas.....

elêlê...

beijinhos

Danuza Bueno

Octane / Ozone (domado como nunca).

Phocas Team - Ventomaníaca de carteirinha.

Rosa-dos-Ventos / Curitiba-PR-Brasil

 

 

Cacá de Souza

-----Mensagem original-----
De: e.caca@terra.com.br [mailto:e.caca@terra.com.br]
Enviada em: quarta-feira, 25 de fevereiro de 2004 14:25
Para: ventomania@grupos.com.br
Assunto: [Ventomania] O SIVivuca DE MT!!

 


Galera alada!!

Foram 4 dias que jamais serão esquecidos pelos felizes pilotos que estiveram
aqui em Mato Grosso neste caranaval para o primeiro SIVuca realizado em
nosso estado.

Foi uma festa maravilhosa, uma grande confraternização, entre os amigos e
alguns convidados que somaram muito no ambiente que se instalou na fazenda
MORRO DO CHAPAÉU em Chapada dos Guimarães.

A comida, comandada por dona Sebastiana esteve simplesmente  DIVINA...os
funcionários da fazenda se desdobraram para que tudo funcionasse
perfeitamente.
Nossos agradecimentos ao Jair e Rosangela Serratel...rpoprietários da
fazenda que mesmo nào estando aqui no Estado nos permitiram usifluir de
local tão acolhedor e de beleza indescritivel....a Mary, o Carlinhos.....que
montou e fixou o suporte do reboque na lancha pra gente ( serviço de
primeira, segundo o mestre Sivuca ) ao Evaldo que não deixou faltar nada o
tempo todo e ao nosso amigo Dijalma que....comandou com maestria a lancha
que puxava o reboque...ele foi o must
hehehehehehehe

A galera que veio para o curso esteve o tempo todo bastante introsada e tudo
funcionou direitinho...com alguns contratempos que foram rapidamente
solucionados...a decolagem de reboque é SHOW...e tirando o Silvanei e o
Itanei que foram pra agua logo na decolagem......braço duro
heheheheh,...ninguem mais passou susto com o novo brinquedo....

De Goiás vieram os amigos Luis Otávio, Cantimiro e Silvanei que participaram
do SIV....e os pilotos Pepê e Luiz que vieram nos prestigiar aqui.

De Mato Grosso participaram eu, Cesar Zottis e Itanei Sauder...estes
dois....com poucos voos no curriculum deixaram o mestre Sivuca bastante
satisfeito e mandaram ver na manobras.

Pra falar a verdade todos nós que participamos mandamos ver em dois dias de
puro prazer de voar e conviver...tudo funcionou perfeitamente bem e a
noite...na séde da fazenda os jantares.... sempre com um bom churrasco
comandado por nosso GAUCHO DE ESTIMAÇÃO ( heheheheh) Cesar Zottis que reunia
a galera no cervejada...e nos papos sobre o que rolou no dia...e o que iria
rolar no dia seguinte.

Todos nós nos divertimos muito.....e temos certeza que o SIV foi um divisor
de águas em nossas vidas de pilotos.
Destaque para os agualoucos Cesar e Silvanei que não perdoaram e foram pra
dentro dágua...o Cesar gostou tanto que foi pra água duas vezes...heheheheh
Eu gostei tanto que mandei ver nas manobras e por pouco não fico na água
tambem....dei uma quicada nágua e pousei suave bem na margem do lago.

AO MESTRE SIVUCA NOSSOS AGRADECIMENTOS PELA PACIENCIA DEDICAÇÃO E CARINHO
COM QUE NOS TRATOU ESTES DIAS TODOS.
NÓS DO MORRO DO CHAPÉU AGRADECEMOS MUITO E ESPERAMOS TER RETRIBUIDO TODO O
CARINHO QUE VOCE NOS DISPENSOU.
AOS AMIGOS DO CLUBE AÇOR DE VOO LIVRE DAS CIDADE DE JATAI E IPORÁ, DE GIOÁS.
NOSSOS AGRADECIMENTOS PELO COMPANHERISMO E PELA PRESENÇA...ESPERAMOS EM
BREVE PODER RETRIBUIR COM UMA VISITA NO GOIÁS..... é so aguardar.

BEM....GOSTAMOS TANTO....FOI TÃO LEGAL APRENDER A DECOLAR DE REBOQUE....( eu
fui o primeiro piloto a decolar rebocado neste fim de seman...ainda no
sábado...testando o equipamento) que já estamos marcando de irmos voar no
interior do estado....o ano de 2004 promete muito para o voo livre em Mato
Grosso..........um reboque novinho em folha....novas rampas e pilotos mais
bem preparados para tirar proveito de tudo o que o voo livre pode nos dar.

EM JULHO TEM MAIS UM SIV ...e todos nós estamos anciosos para que julho
chegue logo...em abril novas turmas de alunos e o esporte vai crescendo e
ganhando mais praticantes em Mato Grosso.

A TODOS QUE PARTICIPARAM OU SIMPLESMENTE AJUDARAM PARA QUE A FESTA FOSSE TÃO
BONITA QUANTO FOI

NOSSO MUITO OBRIGADO

Abraços e muitos bons e sempre seguros voos

Cacá de Souza
Pres. CVLMC/ABP
 

 
De: "João Eugênio Lopes" <jsaporski@hotmail.com> 

Após tantos relatos emocionados sobre o SIV, achei que deveria dar também o meu. Foram dois dias que valeram por muitos. Foi tudo de primeira classe: o lugar, a comida, o curso, os carrapatos, e, obviamente, as pessoas. Tenho problema com nomes, mas lembro de todos que lá estavam. Por isso, aqueles que não lembro o nome, lembro o paraca. Exemplo: o destemido piloto de VIBE. O jurista carioca que estava fazendo seu 20º vôo de glider novo ainda "crocante". Sua coragem e vontade inspiraram todos. Lembro-me quando eu tinha 20 vôos: tinha que pedir permissão para fazer um prego no final de tarde. E o "merrrmão" aí mandando ver no SIV. Parabéns. O Durval, também piloto de SYNERGY. O Dino, o Sérgio, o Milton, meus amigos do Paraná, Alonso, Visssentinho, Rafael e Danuza. Parabéns à todos e obrigado ao Dino, Durval e Sérgio por cederem seus lugares na fila e possibilitarem que eu e o Visssentinho fizéssemos nossos vôos de número 4. Agradeço especialmente ao Sivuca pelo profissionalismo, seriedade (até demais, deixava todo mundo apavorado nos "briefings") e amizade com que conduziu o curso. Bons vôos à todos. Até a próxima. João. Synergy azul-com-bigode-amarelo (voa tudo e fecha pouco)

 

De Marcelo Borzino marceloborzino@hotmail.com

O vetusto adágio latino“patibulus cunibulus anus refrescorum lacuna est” (trad.:“quem refresca cú de pato é lagoa”) bem que poderia ser parafraseado para o nosso dialeto parapêntico da seguinte forma: “preatibulus anus refrescorum represa est” (trad.: “quem refresca cú de preá...). Sem dúvida seria plenamente aplicável ao meu caso em particular, como aliás ficou comprovado neste último S.I.V. realizado em Joanópolis (02 e 03 de novembro), sobre o qual gostaria de tecer alguns comentários. Em primeiro lugar, falemos um pouco sobre a metodologia empregada no curso de S.I.V., assim como sobre o notório saber do ministrante, pois é, sem sombra de dúvida, a “pedra de toque” do evento. Neste quesito asseguro-lhes ser pouco provável que não seja unânime a opinião daqueles que lá estiveram no sentido de ser o curso de S.I.V. uma experiência singular e fantástica. Singular, porque é a oportunidade de termos toda uma estrutura voltada para a seqüência de manobras que iremos executar - o que inclui não somente o reboque para catapultar-nos (nas alturas) sobre as límpidas águas da represa, como também serviço de resgate, médico, além, é claro, daquela energia solidária e positva que emana dos nossos companheiros de empreitada. E ainda fantástica, pelo elementar motivo de podermos desfrutar dos altamente técnicos e inteligíveis briefings do “Mestre” Sivuca, este uma figura sobre a qual dedicarei algumas palavras em separado. Gostaria de deixar bem claro que a palavra “mestre” não está aqui empregada como mero adjetivo - muito menos como forma de lisonjear ao referido instrutor - mas, sobretudo, como forma de transmitir o sentido propedêutico que o vocábulo pode emprestar. Tanto que até então só o utilizara para qualificar um personagem em minha vida de voador: o Mestre Paulo Pinto, por quem nutro o maior respeito e amizade. 

O Sivuca é, acima de tudo, um estudioso da dinâmica do vôo, característica esta essencial a um instrutor de cursos de S.I.V.. Sua abordagem é simplesmente perfeita, pois adapta-se a qualquer perfil de aluno. Durante o curso são realizados briefings pelo instrutor sobre a seqüência de manobras que cada participante irá realizar, sendo certo que o nível de aprofundamento técnico em tormo de cada monobra dependerá sempre do interesse de cada um. As informações jamais são sonegadas. Aliás, muito pelo contrário, são sempre fornecidas de maneira minuciosa e discutidas de forma individual, se necessário. Mas, aquilo que mais me impressionou foi a capacidade de percepção (talvez intuição), a sensibilidade do instrutor em identificar em cada participante suas aspirações sobre o curso, respeitando sempre a vontade de cada um em alterar a sua seqüência de manobras. Sou um exemplo vivo disto e gostaria de utilizar minha experiência para demonstrar o quão importante é o respeito aos anseios de um participante de um S.I.V. (obviamente respeitando a conclusão do ciclo básico de manobras que um participante deve inexoravelmente buscar executar). Cheguei a Joanópolis absolutamente ignorante quanto aos efeitos que a experiência iria gerar em meu modo de pensar o vôo de parapente. 

Esperava algo radical, mas ao invés disso, encontrei inspiração, respostas, amizade e, principalmente, alguns dos limites de meu APCO Presta, o que por si só já valeria o final de semana. Após o primeiro briefing comecei a perceber a qualidade técnico-pedagógica do Sivuca que, partindo de conceitos elementares da mecânica de vôo, desmistificou determinadas reações pendulares dos tão conhecidos wing overs. O mais interessante foi a abordagem utilizada, pois ao invés de explicar como se faz um wing over – o que para a maioria ali presente era elementar – optou por mostrar-nos como fazer da execução das manobras um estudo. Exatamente aí reside a chave da psicogenese de um verdadeiro voador. Explico. Aprender a decolar, a pousar, a analisar as condições macro e microclimáticas, etc., pode ser absolutamente necessário a todo aquele que almeja colocar-se a voar em um parapente, porém tudo isso, por si só, não garantirá ao piloto uma gradual evolução em sua maneira de voar. É claro que a prática contribuirá em muito para a sua evolução, assim como a troca de experiências com outros pilotos (especialmente as “dicas de pé-de-ouvido”), mas ainda assim encontrará o piloto uma limitação inexpurgável: a falta de experiência em situações de fortes colapsos. Alguém dirá ser esta falta plenamente suprível pela experiência de Ter passado por inúmeras roubadas, mas a assertiva não é absolutamente verdadeira. Senão vejamos. 

Em primeiro lugar, os colapsos em vôo quase sempre são repentinos, salvo para aqueles que já desenvolveram o “feeling das águias”, assim entendido como sendo aquela capacidade de sentir que algo está para acontecer no ambiente que nos cerca. Obviamente isto ocorre não somente com base na percepção de fenômenos físicos, como também pela comparação, às vezes subconsciente, com situações vividas em vôos pretéritos. Ocorre que, mesmo para os “águias” de plantão - apesar de serem os colapsos repentinos uma coisa natural, e, após ocorridos, são imediatamente neutralizados por comandos na maioria das vezes certeiros - as experiências não chegam a ser uma fator de evolução técnica. Isto porque, o piloto que é “pego” de supresa em pleno vôo, por mais que saia sem dificuldades da situação, não estava mentalmente preparado para fazer daquela sua experiência um laboratório, ou seja, uma coisa é você estar apto a comandar seu parapente de maneira correta numa situação de colapso, outra é você se utilizar daquela mesma situação (e suas variações) para observar as reações e absorver as informações que sua vela está transmitindo. Não se alegue ainda serem as situações de colapso espontaneamente provacadas sobre as águas de uma represa diferentes daquelas encontradas em vôo turbulento, por exemplo. Essa assertiva não cabe aqui, pois o que aqui se discute é o desenvolvimento da percepção do piloto, sua sensibilidade de vôo, aquilo que, em última análise, irá permitir um melhor desenvolvimento de sua técnica. 

Neste ponto um S.I.V.uca faz toda diferença do mundo. Para mim fez, sem dúvida. Não só pelas manobras realizadas, mas sobretudo pela forma como as seqüências de manobras são propostas. Tomemos com exemplo a seqüência de negativas. Antes de mais nada, foi feito um briefing sobre as manobras, passando pela mecânica da execução, conceitos aerodinâmicos envolvidos nas entradas e saídas das manobras, tudo com direito a discussões e explicações individualizadas. A primeira negativa deveria ser provocada a partir de uma alteração brusca no curso da vela; a segunda, a partir de uma desacelaração simétrica com posterior estol de um dos lados da vela e a liberação do freio oposto; e, por fim, a terceira, deveria ser provocada na entrada de uma espiral positiva, quando então o lado interno do velame (com relação a curva) deveria ser estolado, provocando uma verdadeira “catapultada” do piloto, antes do eixo vertical da rotação transferir-se para algum ponto entre o piloto e o velame, fazendo o conjunto “estabilizar-se” em negativa (situação-problema esta que deveria ser equacionada com um “full”). Ora, onde mais um protótipo de piloto como eu poderia viver uma experiência como esta? Como saber a exata força que se deve fazer para provocar um “full” em uma negativa? Como saber o exato momento de se liberar os batoques quando o velame não se estabiliza na cabeça durante um “full”? Como estar mentalmente preparado para absorver estas experiências/sensações, passando a conhecer melhor as reações de sua vela? Esta e outras respostas você encontrará em um S.I.V.uca! Tenho certeza que existem outros grandes profissionais capazes de ministrar excelentes cursos de S.I.V. (aliás, só ouvi falarem bem do curso ministrado pelo Mingo), mas destes infelizmente não posso falar, pois ainda não os fiz. Contudo, quero fazer pública minha admiração pelo profissional que é este tal de Sivuca. O cara é uma fera e merecedor do desígnio “mestre”. Mas que ensinar manobras, ele ensina a pensar o vôo, a perceber aquilo que não somos capazes de enxergar e, se ainda assim saímos do curso sem assimilar 100% daquilo que foi dito - o que é absolutamente normal - uma coisa é certa: você estará apto a crescer como piloto de uma maneira mais segura. Só isso, aliado a agradável estadia em um maravilhoso sítio ao lado de novas e com certeza duradouras amizades já valem a experiência. “E aí, que tal S.I.V.irar com o S.I.V.uca?” (Os direito autorais desta pérola pertencem ao Sérgio Paiva, com contrato gratuito de licença de uso com o próprio Sivuca) Valeu mestre Sivuca. 

Um grande abraço a todos e bons S.I.V.’s. 

Marcelo 22 (abrevição de doix maix doix).